Vendedores e empreendedores lidam o tempo todo com pessoas diferentes, clientes bravos ou simplesmente apressados, imprevistos, prazos curtos, mudanças no mercado e uma série de componentes com forte potencial de estresse.

Para lidar com tanta pressão sem perder o EQUILÍBRIO é preciso desenvolver fortemente a Inteligência Emocional.

Ter claro que a vida não é linear e que mudanças ocorrerão o tempo todo já é um bom começo.
O “viveram felizes para sempre” só existe nas estórias infantis.

A vida real é composta de vários ciclos e a todo momento há alguns começando, outros em andamento e outros terminando.

Não querer que o corpo envelheça, que os filhos cresçam, que a paixão acabe, que o feriado termine, que o seu produto fique obsoleto, que o cliente procure o concorrente, que o cachorrinho morra, que seu time perca, que chegue a hora de voltar pra casa, que a sopa esfrie é negar o fluxo natural da vida.

Exigir perfeição de si mesma ou dos outros é decepção na certa.

Você não vai ganhar sempre, não vai acertar sempre, não vai conseguir sempre e muito menos sem ajuda dos outros.

Esta é a mágica da existência: nós somos todos vulneráveis e o que de mais rico pode acontecer é aprendermos a aprender uns com os outros e com a vida,

Preparamos algumas dicas para você ampliar sua Inteligência Emocional e conferir se está no caminho indicado pelos especialistas.

 

Recicle os seus pontos de vista

O analfabeto emocional tem posições engessadas e considera-se o dono da verdade.

Ele não consegue perceber que não vemos o mundo como o mundo é, mas sim como nós somos – ou seja, vemos o mundo como fomos condicionados a vê-lo.

E a melhor forma de alcançar uma visão mais ampla deste mundo é dar espaço à visão do outro, compartilhando impressões, sentimentos, conhecimentos.

Cultivar o gosto por aprender sempre amplia nossos horizontes. Procure ler livros e artigos com real interesse, observar pessoas e situações com atenção, assistir filmes e peças teatrais com diferentes abordagens, ouvir as pessoas profunda e verdadeiramente, tentando entender (e respeitar) seus pontos de vista mesmo quando forem diferentes dos seus.

A atividade do empreendedor / vendedor é uma fonte riquíssima de contatos e de aprendizado através das pessoas.

Exercite calar o julgamento

O analfabeto emocional está julgando tudo e todos constantemente, o que faz dele um chato, sempre apontando o dedo, arrogante e impermeável ao aprendizado que comentamos acima, perdendo grandes oportunidades de ampliar sua mentalidade e seu conhecimento.

Pessoas que julgam o tempo todo vivem rotulando os outros. E uma vez colocado o rótulo, dificilmente mudam de opinião ou admitem uma nova chance para aquele que “pisou na bola” uma vez.

E como ninguém é perfeito, terminam meio isolados e praticamente sozinhos, acompanhados apenas do seu orgulho.

Aquele que não consegue conter o vício de julgar sem necessidade tem pouca capacidade de ser empático e de se colocar no lugar do outro. E por isso vende menos…

Preste atenção na sua comunicação

O analfabeto emocional tem pouca tolerância às frustrações, não gosta de ser contrariado e possui o “estopim curto”.

Como se apega demais aos próprios pontos de vista, está o tempo todo julgando e irrita-se facilmente, carrega consigo grande potencial de provocar conflitos, mesmo quando não era essa a sua intenção.

Um vendedor com estas características facilmente terá problemas no atendimento aos clientes, por exemplo.

Lembre-se: o que você diz não é exatamente o que o outro escuta. Esteja atento aos sinais do seu interlocutor – seu colega, seu cliente, seu subordinado – verifique se ele realmente entendeu o que você queria dizer, renuncie à tentação de ser irônico o tempo todo e diga de fato o que deve ser dito, sem ser rude.

Tenha coragem de mergulhar no universo da dúvida

O analfabeto emocional não lida bem com dúvidas e incertezas. Prefere o que a gente costuma chamar de pensamento binário: isso ou aquilo, certo ou errado, bom ou mal, amigo ou inimigo, herói ou bandido.

Esta é uma forma simplista e muito pobre de ver as coisas. O ser humano é complexo e contraditório, a mesma pessoa pode ser capaz de gestos de grandeza e atos terríveis. Todo problema possui várias facetas, não há fórmulas que atendam todos os casos, nem sempre há respostas exatas e geralmente o que consideramos errado é apenas diferente.

Viver é saber lidar com as dúvidas. As grandes inovações só acontecem na presença da dúvida. Será que dá para fazer de outra forma? Precisa ser deste jeito? E se…?

Um empreendedor que não admita uma dose de incerteza não vai inovar nunca. E empreendedor que não inova não é digno deste nome, certo?

Permita-se fracassar

O analfabeto emocional não admite seus próprios erros.

Não existe sucesso sem fracasso. Maior ou menor, ele sempre acontece. E geralmente é dos fracassos que surgem as soluções mais geniais.

É natural e necessário que tentemos evitar o insucesso, avaliando o cenário, pesquisando, planejando, avaliando os riscos, testando. Mas quando algo não der certo estaremos diante de uma oportunidade magnífica de aprendizado e recomeço mais acertado.

Como disse o inventor da lâmpada, uma experiência nunca é um fracasso, pois sempre vem demonstrar algo.

Fracasso é desistir de tentar por medo de errar.

Busque sempre e incansavelmente o autoconhecimento

Este conselho é bem antigo, mas mantém-se absolutamente atual e verdadeiro.

O analfabeto emocional diz ter “gênio forte” ou ser uma pessoa “de personalidade”, mas na verdade, por trás desta máscara existe um ser fraco e barulhento.

Há muitos caminhos para o autoconhecimento e cada um deve encontrar o seu.

Mas não se iluda: deste passo dependem todos os outros.

Até a próxima!

 

(imagem Crayonstock)