Quando imaginamos o prenúncio de uma tragédia, logo pensamos num dia cinzento, raios e trovões. Mas os fatores que contribuem para um acidente podem estar ocultos sob o véu de aparente normalidade. Há falhas dormentes aguardando ocasião para fazer seu trabalho nefasto e quando se trata de segurança do trabalho todo detalhe pode significar a diferença entre viver e morrer.

Quando o improvável acontece

Foi numa manhã de céu limpo, pouco antes das 8h30, no dia 31 de outubro de 1996 – Dia das Bruxas…

Alguns já haviam saído para o trabalho, outros permaneciam em suas casas – um consertava algo em cima do telhado, dois amigos carregavam produtos da garagem para o carro na calçada, até que um avião Fokker 100 desabasse e explodisse sobre aquela pacata rua do bairro Jabaquara, a menos de 2 quilômetros da cabeceira do aeroporto de Congonhas, deixando um rastro de fogo e destruição, ceifando a vida de 89 passageiros, 6 tripulantes e 4 pessoas em solo.

Este sinistro, que marcou tragicamente a história da aviação brasileira, oferece-nos preciosos elementos para reflexão sobre a prevenção de acidentes.

O avião era moderno, relativamente novo e estava com a manutenção em dia. O comandante era piloto experiente, credenciado como instrutor naquele tipo de aeronave. Seu copiloto tinha menos experiência e poucas horas de voo em Fokkers.

Tudo aconteceu em apenas 24 segundos e abalou a vida de inúmeras pessoas e instituições.

E esta é nossa primeira reflexão: os efeitos danosos de um acidente atingem e modificam a vida de muito mais pessoas do que podemos supor. Nossos empregados – gestores, técnicos, operacionais e administrativos – estão todos cientes disto?

 

Entra em cena o reverso

 

Se você já viajou em aviões à jato, deve ter notado que logo após tocar o solo, as turbinas mudam de comportamento, como se tivessem sido colocadas para operar em “marcha reduzida”, freando a aeronave de forma acentuada, para que consiga parar dentro dos limites da pista de pouso.

É que nesta hora, um mecanismo chamado de reverso é acionado. É um freio aerodinâmico e, de forma simplificada, o que ele faz é inverter a força do jato da turbina, que até então impulsionava o avião para frente e passa a ser exercida no sentido inverso, como apoio ao sistema de frenagem mecânico que o piloto aplica sobre as rodas.

No Fokker 100 este sistema é composto de uma espécie de concha formada por duas pás que, quando acionadas, se deslocam e se encontram do lado de trás das turbinas, posicionando-se à frente da saída do jato propulsor, fazendo com que o jato expelido para trás seja rebatido, desacelerando a aeronave.

Este sistema, portanto, é acionado exclusivamente com o avião em solo.

Porém, naquela manhã, contrariando todas as probabilidades, logo após a corrida da decolagem, assim que o Fokker 100 da TAM, voo 402, descolou o trem de pouso do asfalto e ergueu o nariz, o reverso da turbina direita se abriu ante o olhar estarrecido de um mecânico de aeronaves que estava em terra e testemunhou tudo.

O reverso abriu a primeira vez, voltou a fechar, abrindo a segunda, fechou de novo até abrir total e definitivamente a terceira vez.

Na cabine nenhum aviso sobre o reverso aberto. Os pilotos lutavam para entender o que estava acontecendo e reestabelecer o equilíbrio da aeronave em plena decolagem, mas não houve tempo. Nem mesmo o trem de pouso foi recolhido. Vinte e quatro segundos depois de deixar a pista, a tragédia se consumava.

imagem: notícias UOL.com.br foto Moacyr Lopes Junior/FolhapressPor que o reverso abriu? Por que o sistema não avisou sobre o reverso aberto? Por que a tripulação não conseguiu reverter a pane? O que de fato derrubou o Fokker 100 da TAM? Isso pode acontecer de novo? Que lições podemos levar para nossas empresas baseadas neste acidente?

É o que veremos em nosso próximo post.

Mas antes, nossa segunda reflexão: haverá riscos considerados improváveis ameaçando a segurança e colocando a vida em risco em nossas empresas? Temos políticas e profissionais atentos e capacitados para identificar estas possibilidades?

Até a próxima e obrigado por escolher viajar conosco!