Isso já aconteceu com você?

Entrar num estabelecimento comercial e se sentir em casa e, o melhor, se sentir entre amigos?

Aconteceu hoje comigo e por isso resolvi inaugurar esta nova fase do blog Alma de Empreendedor de um jeito diferente, contando uma história real de encantamento como cliente.

A gente que estuda e trabalha com desenvolvimento de pessoas, vendas e atendimento vai desenvolvendo, por um lado, um nível de exigência acentuado, e por outro, uma capacidade de reconhecer quem tem aquele algo mais e adota a excelência como padrão, o que nos dá uma alegria enorme.

Alguns amigos comentaram e por isso resolvi passar em frente à lojinha que vende produtos típicos de Minas Gerais, aqui pertinho de onde moro.

Notem que eu disse alguns amigos e não apenas um. Uma poderosa forma de divulgação já faz parte da conquista desta loja: a propaganda boca a boca – espontânea e gratuita.

E logo percebi o motivo!…

 

Um jeito mineiro de ser

O lugar surpreende já na chegada. Discreta como um típico mineiro, a entrada é simples e convidativa. Ao entrar, a primeira surpresa: o local é muito amplo, pé direito alto, decoração coerente com a proposta – lindo de se ver.

Tem artesanato, cachaça da boa, vinhos, doces típicos de Minas, biscoitos, bolachas, queijos de vários tipos (inclusive os famosos queijos da Serra da Canastra), pó de café, geleias, requeijão de corte, bolos e outras deliciosas iguarias de muito bom gosto.

Mas não para por aí. Eles servem um cafezinho de coador de pano coado na hora, que você pode tomar puro ou adoçar do seu jeito – até mesmo com mascavo ou rapadura. Sem falar nos salgados, como o pão de linguiça, por exemplo (que estava maravilhoso…).

 

Um jeito mineiro de atender

O grande diferencial, no entanto, supera a originalidade de um canto mineiro em pleno litoral paulista: é o atendimento.

Pense num cafezinho entre amigos e familiares queridos, como nas comunidades rurais. Foi assim que me senti, como se estivesse na beira do fogão de lenha na casa da minha saudosa avó Cecília.

Uma das proprietárias, a Conceição (nome da minha mãe!) me atendeu com tamanha atenção que parecíamos “cumpadres”.

Ela sabe a história de cada produto, conhece pessoalmente seus fornecedores e garante a procedência de tudo o que vende. Ela conta estas histórias e outros causos, cativa os clientes, e, de um jeito sábio e natural, sabe como agregar valor imponderável ao que vende.

Da parte dela só recebi notícias boas. Notícias de um Brasil empreendedor e criativo. De gente que luta e ainda alimenta valores universais de integridade. Notícias que recuperam um pouco do nosso orgulho ferido. Um banho de esperança em dias de tantas notícias ruins.

Um jeito mineiro de permanecer (na mente do cliente)

Lembra que já comentamos por aqui que todo cliente tem medo de fazer um mau negócio? Pois eles sabem quebrar nossa resistência inicial oferecendo vários produtos para degustação! Coisa de empresário bem treinado e antenado.

Dá a impressão que a qualquer momento a gente vai ver o Rolando Boldrin chegando na maior prosa com o Renato Teixeira… Talvez por causa da música sertaneja de raiz que sonoriza o ambiente.

Desejo sucesso aos novos amigos e recomendo aos Santistas e turistas que confiram pessoalmente. Fica ali na Rua Oswaldo Cruz, em frente ao Super Centro do Boqueirão, quase chegando na Lobo Viana. Outras informações e belas fotos estão no site www.vemladaroca.com.br.

Esta não é uma matéria paga. Mas eu me considero recompensado por ter minha alma banhada de alegria ao ver que ainda há motivos para acreditar em nós. É manifestação da minha gratidão.

Ahhh o café também estava bãodimaisdaconta!

Agora vou comer uma boa fatia de queijo com goiabada cascão cremosa que eu trouxe de lá.

Servidos??

(Imagens César Tucci)